TáxiGov chega ao Conselho do Ministério Público e vai se expandir para mais seis capitais

BSPF          15/03/2020
A partir desta segunda-feira (16/03), integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), em Brasília, passarão a usar o sistema de TáxiGov, que deve resultar em uma economia de 70% nos gastos com transportes de funcionários. 
Pelos cálculos do Ministério da Economia, responsável pelo modelo de transporte administrativo, o TáxiGov beneficiará cerca de 200 servidores CNMP. “Vivemos um momento em que a administração pública precisa ser racional no uso de seus recursos, e no campo da gestão existe espaço para construirmos com outros Poderes”, afirma o secretário de Gestão do Ministério da Economia, Cristiano Heckert. 
No entender dele, o TáxiGov está sendo implantado no Conselho Nacional do Ministério Público “para dar eficiência, economicidade e resolver uma necessidade da administração pública de forma inteligente”. 
O contrato assinado pelo CNMP prevê 26 mil quilômetros em corridas por ano, a um custo estimado de R$ 76 mil. “O TáxiGov demonstra que é possível, viável e saudável entregar um serviço de muita qualidade a um valor muito mais reduzido do que o do antigo modelo”, completa Maurício Andreiuolo Rodrigues, secretário-geral do CNMP. 
Expansão 
O TáxiGov, que começou em 2017 no Distrito Federal, já está em uso também no Rio de Janeiro e em São Paulo. No total, são 53 órgãos e entidades fazendo uso da ferramenta, com quatro milhões de km rodados e mais de 500 mil corridas realizadas. Até o momento, a medida gerou uma economia de R$ 22,9 milhões. 
Ainda neste primeiro semestre, o TáxiGov será implantado em mais três capitais: Florianópolis, Belo Horizonte e Cuiabá. Até outubro, será a vez de Salvador, Natal e Porto Alegre. 
Desde a adoção do TáxiGov, o governo vendeu, por meio de leilão, 137 veículos, que renderam R$ 1,9 milhão aos cofres públicos. Mais: 63 contratos de transporte terrestre de servidores e colaboradores foram encerrados com a adoção do modelo. 
Outra vantagem do serviço é a qualidade do atendimento, ao permitir que o usuário solicite uma corrida por meio de aplicativo, o tempo de atendimento é 22% menor em relação aos modelos de transporte anteriores.
Fonte: Blog do Vicente

Escrever um comentário