Servidores rechaçam desinformação sobre o setor público

BSPF     –     15/08/2020

De maneira bem mais tímida do que a expressiva cobertura dada ao estudo – recheado de sofismas – do Instituto Millenium acerca do serviço público, alguns veículos da imprensa repercutiram a reação dos servidores à publicação. O Blog do Servidor, do Correio Braziliense, divulgou, na terça-feira, 11 de agosto, a nota do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) em repúdio à distorção dos dados referentes ao funcionalismo. A edição 135 do Apito Brasil, nesta quarta-feira, 12, destacou alguns pontos do documento do Fonasefe. 

Também nesta quarta-feira, o portal Extra deu espaço a críticas de lideranças sindicais. Em entrevista, o presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), Rudinei Marques, tachou o material do Millenium de “ataque grosseiro” e “desrespeito”, bem como lembrou que o Fórum vem produzindo diversos estudos, estes sim, baseados em informações consistentes. “Da nossa parte, temos feito várias publicações técnicas para mostrar a realidade sobre o serviço público e é isso o que precisa ser discutido, e não essa manipulação maldosa dos dados”, afirmou. 

Com vistas a também contribuir para o debate e confrontar as falácias que se espalham pelas mídias, o diretor de Relações com Filiados da seção regional de Brasília do Sinal, Mardônio Sarmento, em artigo intitulado “Serviço Público: custo ou investimento?”, publicado pelo Correio Braziliense desta quinta-feira, 13, traz uma importante reflexão sobre os gastos com pessoal na Administração. 

“Como tratar os recursos financeiros alocados em orçamento à manutenção da força de trabalho como mero custo a ser minimizado, cortado e aviltado? Não é custo, é investimento. E dos mais nobres. É essencial. Trata-se do maior aliado do sucesso organizacional”, argumenta Mardônio, ao criticar a visão meramente fiscalista quando se discute as carreiras públicas. 

Para ele, a valorização do corpo funcional, fator que deveria preponderar na rotina de gestão de pessoas, infelizmente, não conta com o devido reconhecimento por parte das instâncias decisórias do Estado. “Organizações de porte que prestam serviços recrutam, selecionam e procuram manter o que encontram de melhor no mercado em termos de força de trabalho para, com isso, garantir o sucesso. Nossos governantes, ao contrário, não poupam esforços em demonizar, desqualificar e, consequentemente, desmotivar a força de trabalho do Estado. Em lugar de se aplicarem em gerir bem a coisa pública, cuidam de amesquinhar o aparato estatal”, observa. 

Leia aqui o artigo na íntegra

Fonte: Sinal

Escrever um comentário