Servidor Público: O que irá mudar com a promulgação da Reforma Administrativa?

Jornal Contábil    
–     18/10/2020

O Governo Federal apresentou no dia 03 de setembro de 2020,
a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), identificada como 32/2020, que visa
realizar a Reforma Administrativa dos Servidores Públicos. 

A Reforma Administrativa irá alterar as regras dos futuros
Servidores Públicos dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, seja da
União, dos Estados e Municípios.

Importante ressaltar, que só serão afetados os servidores
que ingressarem ao serviço público após a aprovação da PEC. 

Já os servidores em atividade não serão afetados,
permanecendo com todos os seus direitos e garantias remuneratórias. 

Entretanto, a proposta do governo não afetará os militares,
magistrados, parlamentares, promotores e procuradores. 

Mas o que irá mudar com a promulgação da Reforma
Administrativa?

A Reforma Administrativa trará muitas mudanças para os
servidores públicos.

E, entre elas, estão: 

Extinção da estabilidade, salvo para os servidores das
chamadas carreiras típicas de Estado, como por exemplo, os auditores fiscais;

Extinção do adicional por tempo de serviço para todos os
servidores públicos;

Extinção da Aposentadoria Compulsória;

Proibição de reajustes salariais retroativos;

Serão gradativamente extintos os cargos comissionados e
funções gratificadas, surgindo novos cargos de liderança e assessoramento;

O Servidor Público não poderá ter férias com mais de 30 dias
de duração;

O Servidor Público não poderá mais incorporar ao salário
valores recebidos de exercício temporário de cargos e funções;

Extinção da licença-prêmio, que dá direito ao servidor público
de três meses de licença, a cada cinco anos de trabalho;

Proibição de pagamento de qualquer modalidade de parcela
indenizatória que não tenha previsão legal;

Proibição de progressão ou promoção baseada apenas no tempo
de serviço;

Proibição de redução de jornada de trabalho, sem a redução
de salário, salvo por motivo de saúde;

E por fim, a Proposta da Emenda à Constituição prevê cinco
novos vínculos jurídicos para substituir o Regime Jurídico Único, utilizado
atualmente.

Os novos vínculos jurídicos serão: 

Por prazo determinado: ingresso por meio de seleção
simplificada;

Por cargo de liderança e assessoramento: ingresso por meio
de seleção simplificada;

Por tempo indeterminado: ingresso através de Concurso
Público;

Por cargo típico de Estado: ingresso através de Concurso
Público;

De experiência: ingresso através de Concurso Público.

Dessa forma, com a promulgação da PEC 32/2020, os futuros
servidores públicos serão diretamente afetados, visto que, será extinta várias
promoções e diversos benefícios.

Share This

Escrever um comentário