Reforma administrativa e trabalho remoto pautam reunião entre Fonacate e Ministério da Economia

BSPF         
08/11/2020

 

Reforma administrativa e trabalho remoto pautam reunião
entre Fonacate e SGP

Lideranças do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas
de Estado (Fonacate) voltaram a se reunir com a equipe da Secretaria de Gestão
e Desempenho de Pessoal (SGP), do Ministério da Economia, nesta quarta-feira, 4
de novembro. O encontro virtual, que teve a participação do presidente do
Sinal, Paulo Lino, foi dedicado à discussão de pautas de interesse da classe,
como a reforma administrativa e o trabalho remoto. 

PEC 32/2020 

A delegação do Fonacate iniciou a reunião reafirmando uma
série de inconsistências da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020,
como a multiplicação de regimes jurídicos na Administração Pública e a
flexibilização da estabilidade, o que, no entendimento das entidades,
enfraquecerá o serviço público. 

A ameaça de enfraquecimento, destacaram, se faz presente
também na criação dos chamados “cargos de liderança”, que poderá implicar o
aparelhamento de instituições do Estado e afetará, inclusive, os atuais
servidores, diferentemente do que vem propalando o governo acerca de sua
proposta de reforma. 

O tema foi tratado em reportagem do portal O Dia, ao
repercutir estudo do Fórum que será lançado na tarde de hoje, apontando que,
com a PEC 32, mais de 100 mil cargos nos órgãos públicos podem ser alvos de
práticas de aparelhamento. “Esses cargos poderão ser preenchidos com base em
critérios meramente políticos, sem qualquer ingerência dos mecanismos de
controle”, aponta o documento. 

Mesmo diante da argumentação, o secretário Wagner Lenhart
afirmou ter “convicção” de que a PEC aponta no sentido da “melhoria da gestão
no país” e que esses desafios, quanto ao aumento da quantidade de regimes
jurídicos, por exemplo, “serão superáveis ao longo do tempo”. 

Carreiras de Estado 

Ainda no contexto da reforma administrativa, a definição do
que seriam “cargos típicos de Estado” esteve em discussão na videoconferência.
As partes concordaram que o assunto, que tem como um de seus desdobramentos a
ainda pendente regulamentação do artigo 247 da Constituição Federal, demanda
aprofundamento, a busca por referências e um diálogo ampliado. 

A questão que, segundo sinalizou a SGP, deve ser encaminhada
apenas após a tramitação da PEC 32, voltará a ser discutida com a participação
de acadêmicos, governo, entidades de classe e demais especialistas. 

Trabalho remoto 

As representações do Fonacate apresentaram ainda
preocupações com pontos da Instrução Normativa (IN) 109/2020 e com um possível
retorno açodado às atividades presencias nos órgãos federais, sem a necessária
segurança sanitária aos servidores, em face da edição da medida. A equipe da
SGP deixou claro que a norma não tem a intenção de impor o fim imediato ao
trabalho remoto instituído por conta da pandemia da Covid-19, mas serve apenas
para dar diretrizes gerais. 

Conforme observaram os representantes do governo, a opção
pelo prazo, bem como pela logística de retorno às repartições caberá,
individualmente, às direções das instituições da Administração Pública. 

Gestão de jornada 

Outros temas referentes à jornada laboral do funcionalismo
foram discutidos no encontro, a exemplo da cobrança recorrente do Fórum pelo
estabelecimento do intervalo mínimo de 30 minutos para a refeição. De acordo
com Lenhart, a efetivação da medida depende apenas de um dispositivo legal no
qual possa ser inserida.

Fonte: Sinal

Share This

Escrever um comentário